Sal – hype que vale conhecer

Claro, logo após dois Masterchefs seguidos, o Sal estava bombando. Duas semanas de espera na reserva. Mas rolou, e lá fomos nós.

mg_6397

Não é a toa que é difícil conseguir uma mesa, afinal, devem cabem umas 30 pessoas ao mesmo tempo lá dentro, entre mesas e balcão. Isso contribui para o clima intimista, gostoso e, claro, exclusivista do lugar.
O cardápio é encantador, com coisas que enchem os olhos. De vegetariano, temos algumas entradas e apenas um prato, infelizmente. E tem as sobremesas… Mas vamos por partes.

Algumas das opções de entradas são Palmito Pupunha Assado, Batatas Rústicas, Aspargos com creme de queijo e ovo… Escolhi um clássico, o Queijo Qualho com melaço e uva verde. É bom, não me entendam mal, mas é normal. Acho que outra entrada, por exemplo o palmito, deve ser muito mais gostosa. Numa próxima, vou arriscar mais.

Já para o prato principal, só há uma opção, que é o Ravioli integral de Ratatuille. Não criei grandes expectativas, mas me surpreendi. Ele é bem temperado e saboroso, e o pesto de rúcula é bem gostoso. Um bom prato!

Por fim, todas as opções de sobremesas parecem ótimas, desde as diferentes (como o pudim com cumaru) até as que parecem mais simples, porém com um toque diferente (como a rabanada com creme inglês de whisky e maçã). Escolhi o mousse de chocolate com caramelo e sal negro. É bem gostoso.
Mas, para minha sorte, uma das meninas que estavam comigo pediu o brigadeiro (com castanha do pará e sorvete de paçoca). MEU DEUS! Eu jamais acharia que um doce simples como brigadeiro pudesse ficar tão tão tão mais gostoso! Como é uma sobremesa bastante doce, ela não comeu tudo, e sobrou para mim (sorte duas vezes rs).

sal600_6

Foto: Ailin Aleixo – Gastrolândia

Resumindo, foi um bom almoço.
O restaurante é um pouco caro para se pedir entrada / prato / sobremesa, mas para irem ocasiões especiais (e planejadas com antecedência), vale a pena.

E, para quem gosta dessas coisas, o Fogaça está sempre por lá, e aparentemente passa de mesa em mesa cumprimentando e sendo um bom anfitrião:)

 

Sal Gastronomia
R. Minas Gerais, 352
Higienópolis


Maní – Bonito de ver, melhor ainda de comer

Já havia ido lá uma vez, mas tive outra oportunidade essa semana. E valeu muito a pena.

O Maní é um restaurante muito agradável, de cozinha contemporânea, que também é conhecido por ter como sócia a Fernanda Lima.
É um lugar onde todos os pratos encantam, seja pelo visual ou pela descrição (e, pelo que ouvi, pelo sabor também).
O cardápio não é vegetariano, mas tem alguns bons pratos para se pedir.

O couvert traz um pão fofinho e quentinho, incrível, e lascas de polvilho que você não consegue parar de comer. Acompanham também um potinho de manteiga, um de coalhada e um de queijo de cabra.

Não pedimos entradinhas, mas no cardápio tinham algumas coisas muito interessantes. Brilharam meus olhos esses bombons de Guacamole – vão ficar para a próxima ida, certamente.

Screen Shot 2015-11-14 at 3.50.38 PM

Pedi uma entrada para mim, mas ao invés de uma salada, escolhi o Ovo Maní – um ovo tipo poche, cozido por 2 horas, com espuma de pupunha. Bem gostoso.
Como prato principal, fiquei entre dois pedidos. Um era o talharim de pupunha com molho parmesão, mas como não gosto de trufas brancas, desisti. Escolhi os Falsos Tortéis – basicamente são lâminas de pupunha com recheio de abóbora, acompanhadas de pedacinhos de melão, amêndoas e queijo ralado bem fininho, que formam a decoração. O prato é uma graça, muito leve, muito saboroso. Só recomendo pedir algo de entrada, pois é um prato que não vai matar sua fome.

20151113_133110

Já para a sobremesa, eles tem opções bastante diferentes – Flan de queijo canastra, doce de berinjela, sorvete de gemada… Para quem gosta de experimentar novidades, é um prato cheio.
Porém, quando li a descrição do “Motel Califórnia”, não tive dúvidas: uma pilha de suspiros, creme e morangos, com creme de ovos e ganache de chocolate.

20151113_142710

O Maní só tem um probleminha: o preço. Não é um restaurante para ir sempre, infelizmente.
Mas, para ocasiões especiais, é uma ótima pedida.

Maní
R. Joaquim Antunes, 210
Jardim Paulistano


Mori Ohta Sushi – Combinado Vegetariano mais ou menos

Não sei se o Mori é um puta restaurante como todos dizem, afinal, não provei nada da especialidade deles. Mas me decepcionou bastante o rodízio veggie deles.

O lugar é legal, mas a música um pouco alta (e música de balada. Não combina com um restaurante japonês, na minha opinião) e os garçons, embora atenciosos, pareciam um pouco perdidos.
Fui já imaginando que ia ter que pedir alguma combinação, para fazerem um temaki especial, essas coisas. E me surpreendi ao ver no cardápio que havia um combinado vegetariano! Não tinha descrição do que vinha, mas vamos lá, arriscar.
Pedi, para garantir, uma robata de brócolis e um queijo coalho.

Quando o prato chegou, veio a decepção.
Os sushis eram o mais simples possível: um vegetal em cima do arroz, amarrado com a alga. Só. Shimeji, pepino, berinjela… Não lembro todos, mas a questão é que era MUITO sem graça. Não tinha um Cream Cheese, não tinha uma mistura tipo pepino e manga, nada.
O prato era grande, admito.

Pelo que pesquisei, eles tinham um cardápio mais legal, com bolinho vegetariano e outras coisinhas. Mas pelo visto, isso é passado.

Triste, porque de novo é um prato que faz parecer que vegetariano se contenta com qualquer coisa.
Sorte que eles tem outras coisas que dá para comer. Do jeito que é, melhor nem ter esse combinado vegetariano.
No fim do dia, o Matsuya tem um prato muito mais interessante para nós, mesmo sendo um restaurante mais simples (sei separar as coisas – por mais que eu não tenha gostado por que eu sou chata, sei que pelo menos eles tem diversidade).

Mori Ohta Sushi
Rua da Consolação, 3610 – Jardins
E outras unidades


Casa do Parmegiana – wow!

Sempre passava na frente da Casa do Parmegiana, em Moema, e nunca liguei muito – afinal, tinha certeza que era um lugar onde eu não teria o que comer.

Um dia, por insistência do meu pai, que não queria ir a um lugar caro como as cantinas da região, nem a uma hamburgueria, fomos lá. Ele viu pela internet o cardápio, e encontrou um parmegiana vegetariano, então fomos.

O lugar é simples, ambiente com luzes baixas, DVDs de sertanejo passando no telão. Fomos direto pedindo o prato. Um tradicional para eles, um vegetariano para nós, ambos na opção para duas pessoas.

Este é o Lisboa, com carne moída. Única foto que achei dos pratos com beringela :(

Este é o Lisboa, com carne moída. Única foto que achei dos pratos com beringela😦

O filet de beringela com abobrinha e pimentões é delicioso! Bem temperado, muito queijo e muito molho, e ainda acompanha arroz e batata selvagem. E numa porção mais que bem servida!
Só cuidado para pedir o prato certo, o Coimbra, pois há opções de beringela com frango e com carne moída também.

Foi uma boa surpresa, e relativamente barata se pensarmos na quantidade de comida, em Moema!

Casa do Parmegiana
Av. Sabia, 733 – Moema

 

 

 


Moussaká Vegetariano do Athenas

Quem frequenta a Baixa Augusta aqui em São Paulo certamente já passou, ou numa tarde de calor ou numa noite de fim de semana qualquer, na frente do Athenas, um bar/restaurante lotado, na esquina com a R. Antonio Carlos.
Badalado, sempre cheio, é um lugar gostoso de se sentar e bater papo (se conseguir lugar).

Sempre pensei no Athenas como um lugar para drinks, petiscos, um pouco caro, mas legal para encontrar amigos. Até que um dia resolvi almoçar por lá, tomar um chopp, e me encantei.

A descrição do cardápio para o Moussaká é: berinjela, abobrinha, batata, recheio de vegetais (brócolis, vagem e cenoura) gratinado com creme bechamel e parmesão.
A descrição para você que, como eu, não tinha idéia do que é um moussaká mas gostou do que vai dentro, é mais simples: é tipo um escondidinho. Um monte de vegetais embaixo de um monte de purê de batata muito, mas muito cremoso. E é fantástico!

Por ser um prato grande e não muito leve, ele dá um bom almoço. Mas se for jantar com amigos, beber e comer uma porção de bolinha de queijo ou de pastéis antes, dá para dividir o prato tranquilamente com outra pessoa.

Não conheço nada de comida grega, não sei se ele faz jus ao prato tradicional… Mas recomendo imensamente!

 

Athenas Restaurante
R. Augusta, 1449

 


Tandoor – Melhor indiano da vida

Gosto bastante de temperos, pimenta, coisas diferentes. A culinária indiana é incrível por isso, por saber balancear bem os temperos e usar ingredientes de forma diferente do que estamos acostumados (pelo menos aqui no Brasil).
E o Tandoor é o melhor que já fui até agora.

O lugar é lindo, super fofo e ótimo para um jantar a dois. Temático, mas sem tantos elementos sobrepostos, tornando-o mais aconchegante. Os garçons são ok, não tenho muito o que falar, nem bem nem mal.

O cardápio possui muitas opções.
Para a entrada, além de deliciosas Samosas de legumes (aquele pastelzinho vegetariano, tipo o do Blue Pub, mas menos gordurosos e infelizmente sem o chutney), há alguns pães (chamados Naans) que você pode pedir. Com alho, ou com queijo, ou mesmo só o pão, que é bem gostoso.

Há toda uma sessão do cardápio apenas para vegetarianos (uhu!). Sinceramente, acabo pedindo sempre as mesmas coisas.
Além do arroz, que se escolhe a parte e tem opções com ervas, ervilhas, açafrão, etc., acabo sempre pedindo a almondega de soja com molho de caju fantástico (Malai Kofta) e cubos de ricota no molho de espinafre (Paneek Palak).
Muitos dos pratos são variações – queijo com o molho de caju, ou ervilha com molho de espinafre, etc. Como os molhos são deliciosos, fique a vontade e escolha o que mais gosta rs.

Resumindo, diversão garantida!

Não é barato, portanto não dá para ir sempre. Comendo isso tudo e mais refrigerante, gasto em média uns R$ 100, para duas pessoas comerem bastante e muito bem.
Mas vale cada centavo.

Tandoor
Rua Dr. Rafael de Barros, 408
Paraíso


Z-Deli – Decepção em forma de queijo quente

O Z-Deli é um lugar famosinho, e que recentemente abriu outra loja em Pinheiros. Ele mantém o padrão da loja, sempre pequena e sempre cheia (será que cheia porque pequena demais?), com fila na porta. Ambiente intimista, clean, charmoso. O carro chefe da casa é o Pastrami, que eu não sei bem o que é, só sei que o Joey ama.

joeyfriends

O cardápio não é grande, os sanduiches em sua maioria são pomposos, devem ser bons pelo tanto que o restaurante é conhecido.
Mas… coisas para vegetarianos?

Batatas fritas: Ok. Saladas: poucas e com carne. Sanduiches: queijo quente.

Isso mesmo, um queijo quente. No pão de forma. Gorduroso.
Pra não falar que é só isso, tem cebola caramelizada no meio do queijo.

E é isso. Ok, fora o ultraje.

Desculpa, por R$ 15, eu compro um saco de pão, uma peça de queijo, manteiga e cebola, e faço queijo quente por uma semana!

As sobremesas são boas. Mas a revolta com o queijo quente foi tanta que só consegui escrever um post falando sobre a falta de boa vontade com os vegetarianos, e acabei levando mais de uma semana para escrever sobre o restaurante em si.

E não quero mais perder tempo também.

 

Z-Deli
R. Francisco Leitão, 26


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 613 outros seguidores